segunda-feira, 9 de julho de 2018

Morgana Decosta representa a Banda Santa Cecília na escolha da rainha da 14ª Feprocol

A Banda Santa Cecilia sempre esteve presente nos eventos mais importantes do Município de Nova Pádua, sejam eles religiosos, cívicos ou sociais. A entidade, que completou 105 anos no mês de abril, estará fazendo parte do evento máximo de Nova Pádua, a 14ª Feprocol. 

Isso porque, a musicista Morgana Decosta, que ingressou na Banda Santa Cecília em 2013, estará representando a entidade no concurso que elegerá o novo trio de soberanas da Festa de Produtos Coloniais - Feprocol.

Morgana relatou que a expectativa para concurso é a melhor possível. “Creio que será uma experiência única e de muito aprendizado para todas nós candidatas”, ressaltou a jovem de 20 anos de idade.

Morgana também falou sobre o orgulho em representar a entidade na escolha. “A Banda Santa Cecília é uma entidade que me acolheu muito bem e não mediu esforços para me ensinar tudo o que eu sei. Tenho um carinho enorme pela Banda e é como se fossemos uma família”, frisou a filha única de Inácio e Marli. 

Para a Presidente da entidade, Rita Cristina Peccatti Daniel, esse momento é muito importante, tendo em vista que, pela primeira vez, a Banda Santa Cecília terá uma representante musicista. “Para nós que fizemos parte da entidade, isso nos enche de orgulho e alegria. A música estará desfilando na passarela e esbanjando a beleza da mulher musicista”, destacou a presidente. 

Morgana (esquerda na foto) com as colegas de Banda
O convite para ingressar na Banda Santa Cecília foi feito pelo tio Jucimar Salvador. De acordo com Morgana, a família sempre teve uma admiração muito grande pela Banda Santa Cecília. “Acompanhávamos a Banda nas apresentações e ficávamos encantados. Quando comecei a fazer as aulas, aprendi a tocar clarinete e posteriormente, fazendo parte das apresentações, senti ainda mais amor pela música e pela Banda Santa Cecília”, resumiu a musicista. 

O baile de escolha da nova corte acontece no dia 29 de setembro, no Salão Paroquial de Nova Pádua. A 14ª edição da Feprocol acontece de 15 a 24 de fevereiro de 2019 e contará com uma vasta programação. 

Por: Maicon Pan

sábado, 3 de março de 2018

Félix Natal Slaviero, ex-maestro da Banda Santa Cecília, morre aos 88 anos

Neste sábado, 03 de março, a Banda Santa Cecília de Nova Pádua se despede Félix Slaviero, maestro em 1972 e 1973. Aos 88 anos, Slaviero faleceu no Hospital da Unimed, em Caxias do Sul. O velório ocorre na Capela São Luiz e a cerimônia de despedida acontece às 10h30min deste domingo, dia 4, na Igreja Matriz, seguida do sepultamento no Cemitério Público florense. 

Depois que João Gobbi deixou o cargo de maestro, no início de 1972, Felix Slaviero assumiu a função e permaneceu até o final de 1973, ensinando os músicos que faziam parte da entidade neste período. Por dois anos, Slaviero assumiu simultaneamente como maestro da Banda e regente do Coral Nova Trento, função que desempenhava deste 1972. 

Félix sempre se dedicou aos estudos, mas da mesma forma empenhou-se na música, atuando ativamente em inúmeras atividades musicais, somando pelo menos 18 corais diferentes entre Porto Alegre, Lajeado, Vacaria, Ibirubá, Ipê, Antônio Prado, Nova Roma do Sul, Caxias do Sul e Nova Pádua. Em Flores da Cunha, além do Nova Trento, atuou na Banda Florentina. 

Por: Maicon Pan

domingo, 28 de janeiro de 2018

Banda Santa Cecília entrega cesta de produtos coloniais ao Governador do Estado

Durante o Ato Oficial de Abertura da Colheita da Uva no RS realizada na tarde de ontem, 27 de janeiro, a Banda Santa Cecília presenteou o Governador do Estado José Ivo Sartori e a primeira Dama Maria Helena Sartori com a entrega de uma cesta de Produtos coloniais. 

Por ocasião do seu centenário, no dia 04 de junho de 2013, a Banda Santa Cecília de Nova Pádua foi homenageada no grande expediente da Assembleia Legislativa gaúcha.

A homenagem foi uma indicação da então Deputada Estadual Maria Helena Sartori (PMDB) e hoje Secretaria de Justiça e Direitos Humanos no governo Sartori. Naquela oportunidade, o maestro Lino Pecatti recebeu a Medalha da 53ª Legislatura em nome do grupo. 

No evento realizado nos vinhedos da Empresa Boscato Vinhos finos, as musicistas Geovana Peccatti Daniel e Roberta Galiotto Salvador fizeram a entrega do “mimo” ao Governador do Estado. 

Por: Maicon Pan

Banda Santa Cecília participa da abertura oficial da colheita da uva

Na tarde deste sábado, 27 de janeiro, a Banda Santa Cecília abrilhantou o Ato Oficial de Abertura da Colheita da Uva no Estado do Rio Grande do Sul Safra 2017/2108.

O evento foi realizado nos vinhedos da Boscatto Vinhos Tintos e contou com a participação especial da Banda Santa Cecília que recebeu elogios de todas as autoridades presentes, inclusive do Governador do Estado José Ivo Sartori, que na sua chegada fez questão de cumprimentar todos os músicos. 

“Em fevereiro de 1998, quando assumi como governador do Estado, estive em Nova Pádua para participar da abertura da 8ª Feprocol. Lembro que entrei no antigo salão paroquial recebido pelos acordes da Banda”, recorda Sartori.

No início de seu discurso, o Prefeito Ronaldo Boniatti destacou a presença da entidade. “Hoje temos a honra de contar com a presença da Banda Santa Cecília que neste ano completa 105 anos de história, sempre alegrando nosso Município. Sempre participativa, era indispensável que estivesse presente neste importante evento”, frisou Ronaldo.

Outras autoridades que se pronunciaram fizeram questão de elogiar a participação do Banda. Entre os convidados os comentários eram voltados para a beleza do local e também para a presença da entidade que abrilhantou o evento.

Além de animar os presentes com belas canções, a Banda Santa Cecília entoou o Hino Nacional Brasileiro, com toda a competência dos músicos e do Maestro Lino Pecatti. 

Por: Maicon Pan

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Banda Santa Cecília participa da festa de Nossa Senhora Aparecida

Na manhã de ontem, 15 de outubro, a Banda Santa Cecília de Nova Pádua esteve participando da tradicional festa da padroeira do Brasil e protetora dos motoristas, em São Marcos. Neste ano, foi a 44ª edição da festa em honra a Nossa Senhora Aparecida.

Organizada pela Associação dos Motoristas São-Marquenses (AMSM) e pela paróquia de São Marcos, a festa é celebrada desde 1972, quando um grupo de motoristas da cidade preocupado com as mortes no trânsito viajou a Aparecida (SP).

Os profissionais tinham a missão de conseguir emprestada a imagem da padroeira do Brasil. A original não veio, mas uma similar, com o manto e a coroa da original. 

A Banda Santa Cecília participou da Alvorada Festiva que iniciou as 5:30 da manhã. Em seguida foi realizada a procissão motorizada iniciando defronte à Igreja de São Cristóvão até a Igreja Matriz com a Bênção de Nossa Senhora Aparecida. As 11h foi celebrada a missa festiva. 

Por: Maicon Pan

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Banda Santa Cecília participa do Desfile Cívico de Nova Pádua

No domingo, 03 de setembro, a Banda Santa Cecilia participou das festividades da Semana da Pátria do Município de Nova Pádua. Na Avenida dos Imigrantes, foi a 4ª entidade a desfilar.

Antes disso, no hasteamento das Bandeiras, a Banda Santa Cecília entoou o Hino Nacional Brasileiro. Posteriormente, as autoridades fizeram seus pronunciamentos. Em seguida, dando prosseguimento as festividades, foi celebrada a missa na Igreja Matriz pelo Pe. Ireno Lusa. 

Durante o desfile da Banda foi lido um histórico da entidade: 
A Banda Santa Cecília surgiu em 1913, por iniciativa de um grupo de pessoas amantes da música. A partir daquele ano, os acordes da Banda nunca pararam. Seu primeiro maestro foi Alvise Parise. Com o passar do tempo outros maestros regeram a Banda Santa Cecilia, entre eles Franscisco Boscatto e Luiz Gelain. 

Em seus 104 anos, em casa evento em cada festa, nas solenidades religiosas do Município, a Banda Santa Cecília esta presente. Hoje, o maestro é Lino Pecatti. Seu presidente é Rita Cristina Pecatti Daniel. Atualmente a Banda é composta por 18 componentes e se mantém com muito brilhantismo, sendo a Banda mais antiga do Rio Grande do Sul. 

Texto: Maicon Pan

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Muito mais que uma missa

O sentimento era diferente. O clima era especial. Não foi apenas uma missa rotineira de domingo. As pessoas que estiveram na Igreja Matriz Santo Antônio, no domingo, dia 02 de julho, expressaram a gratidão de terem participado de um dos momentos mais importantes da história do povo paduense: Os 130 anos da 1ª missa celebrada em Nova Pádua. 

A celebração in talian, iniciou com o toque de um andante da Banda Santa Cecília que, por ocasião do centenário da entidade, desencadeou, por assim dizer, o estudo da história de Nova Pádua, pois a Banda foi uma das suas principais protagonistas, e com isto, a valorização da história local e de datas come esta, dos 130 anos da primeira missa. 

Antes de iniciar a celebração, o Coral Infanto Juvenil Vozes do Amanhã, alegrou os fiéis com a canção Mérica Mérica Mérica, o hino da Imigração Italiana. Outro momento marcante da eucaristia foi o canto do Glória, in latin, entoado pelo Coral Santa Cecília, da mesma forma como os antepassados escutam nas primeiras missas no povoado. 

No ofertório, pessoas da comunidade levaram até o altar alguns símbolos que marcaram a trajetória de sacrifício das pessoas que assistiram a primeira missa no povoado da então Nuova Padova (como era chamado na época), município de Caxias, no Campo Santo (cemitério) que se localizava atualmente onde está construída a torre de telefonia, próximo ao ginásio de esportes. 

A história foi contada através de um diálogo, recordando a travessia do Oceânico Atlântico, partindo do porto de Gênova em navio a vapor, dos familiares que ficaram na Itália, e das pessoas queridas que perderam a vida durante a viagem. 

A fé, um dos pilares da imigração, ajudou os primeiros imigrantes a superar os muitos e duros obstáculos que se apresentaram a eles nesta terra desconhecida, foi representada pelo terço, imagens de Nossa Senhora da Saúde e de Santo Antônio, cruz, e a foto do padre que rezou a primeira missa a 130 anos atrás. 

Durante a oração eucarística, outro momento de forte emoção. O sacerdote Décio Podenski, titular da paróquia de Antônio Prado, conduziu até o altar a urna que contém os restos mortais do Padre Alessandro Pellegrini, que celebrou a 1ª missa em Nova Pádua no dia 02 de julho de 1887. 

Na ação de graças, a Associação Veneta de Nova Pádua e a Banda Santa Cecília, entidades que promoveram esse evento, homenagearam o Padre Mario Pasqual, recordando todos os sacerdotes que trabalham na Paróquia Santo Antônio de Nova Pádua, e em especial o atual pároco que está à frente desta comunidade pela segunda vez. 

O domingo das pessoas presentes na missa não foi o mesmo. Propiciou momentos emocionantes, e a reflexão a respeito do sentimento dos imigrantes que tiveram a satisfação de assistir a primeira missa em terras deste povoado. 

Não foi apenas uma missa. Foi a recordação do sofrimento sim, mas, principalmente, da vitória, da superação, da vontade de viver de nossos antepassados que mantiveram vida a sua fé, que foi relembrada na missa celebrada no dia 02 de julho de 2017. 

Por: Maicon Pan e Nair Panizzon Baroni

terça-feira, 27 de junho de 2017

Nova Pádua relembra 130 anos da 1ª missa

Foi com fé, um dos pilares da imigração, que os imigrantes italianos superam os muitos e duros obstáculos que se apresentaram a eles nesta terra desconhecida. No domingo, 02 de julho, Nova Pádua celebra uma missa especial para recordar os 130 anos da 1ª missa rezada no povoado de Nova Pádua.

A data foi registrada pelo colonizador imigrante Angelo Arcaro que, há 130 anos, no exato dia dois de julho 1887 foi rezada a primeira missa em Nova Pádua município de Caxias, no Campo Santo (cemitério) que se localizava onde hoje esta construída torre de telefonia, próximo ao ginásio de esportes do Município.

A missa deste domingo é uma forma de relembrar o fato histórico e também o respeito e gratidão ao Padre Alessandro Pellegrini, oportunidade em a comunidade de Nova Pádua será agraciada com a presença da urna que recebeu os restos mortais do ilustre celebrante, a qual será trazida pelo Círculo Cultural Ítalo-Brasileiro de Antônio Prado, juntamente com uma comitiva daquele Município.

A vinda do Padre Pellegrini, assim como o registro na Primeira missa estão transcritos no Livro Tombo, Pag. 2, Livro 6, que está a disposição na Paróquia Santo Antônio.

Padre Alessandro Pellegrini
Alessandro Pellegrini era filho de Luiggi Pellegrini e Angela Pastore. Nasceu no dia 6 de novembro de 1829, na Comune de Cavaion Veronese, Província de Verona, Itália.

Foto: Padre Alessandro Pellegrini
Foi ordenado padre aos 25 anos de idade, em 15 de outubro de 1854. Veio para o Brasil em 1883, com 54 anos, assumindo a Colônia Antônio Prado em 3 de outubro de 1888, quando foi instalada a primeira Cura. Na Colônia Antônio Prado, ainda não havia igreja, ocasião em que Pellegrini reuniu os fiéis no Barracão dos Imigrantes e rezou a primeira missa, momento em que proferiu estas palavras históricas: "Homens livres do orbe" Eis aqui a terra da promissão. Somente com os braços conquistareis o pão e a liberdade".

Pellegrini mandou construir a primeira igreja na Praça Garibaldi de Antônio Prado, iniciada em 1891 e concluída em 1897, e o padroeiro escolhido foi o Sagrado Coração de Jesus.

Iniciou a construção da primeira parte da Igreja Matriz em 1891 até 1897, quando foi transferido para o então distrito de Nova Roma. No período que permaneceu na cidade, foi o responsável pela construção de 130 capelas no interior.

A missa "in talian", que inicia às 9h da manhã, é uma realização da Associação Vêneta de Nova Pádua e a Banda Santa Cecília, com apoio da Prefeitura Municipal de Nova Pádua. A mesma integra a programação da Semana do Colono e Motorista.

Por: Maicon Pan